O Samsung Virus Doctor é o abajur com incríveis capacidades de ajudar a limpar o ar em um ambiente fechado. A tecnologia, bastante comum na Ásia, ajuda pelo menos a deixar o local com um pouco menos de poeira e, teoricamente, mais saudável.

O gadget funciona de maneira simples. Basta ligar na tomada e pressionar o botão de liga/desliga na parte frontal.  Ali você controla também a luz do aparelho (não disse que era um abajur?) e o funcionamento do “virus doctor” (ligando/desligando a ventoinha interna).

Como funciona? O Virus Doctor emite íons ativos formados por hidrogênio e oxigênio que, ao se conectar a um agente biológico, destroi sua capa proteica protetora. Resultado final? íons que se transformam em vapor, ar mais limpo e com menos poeira. A parte superior do Virus Doctor tem uma tampa removível. Segundo o manual de instruções, os íons saem por essa ranhura superior.

Nagano comenta: Esse negócio de purificar o ar usando íons é algo muito popular lá na Ásia sendo que a Samsung explora essa idéia a anos tendo até lançado por aqui em 2006 um monitor CRT SyncMaster 796MB+ cujo tubo de imagem ao esquentar produzia um efeito FIR (Far Infrared Ray) que, segundo a empresa, também ajuda a limpar o ar. Fora isso sua tela anti-reflexiva recebia um tratamento à base de TiO2 e Silver Nano, elementos que propiciam um efeito antibactericida.

Segundo a empresa, a presença de íons negativos, gerados por reações com moléculas de água, atrai partículas com carga positiva presentes no ar, como fumaça do cigarro, pólen e esporos de mofo, formando assim concentrações que se precipitam no ambiente e não podem ser aspiradas pelas pessoas. 

No final das contas, esse negócio  funcionava? Difícil dizer já que na minha opinião os usuários se sentiriam bem melhor se não tivessem que ficar horas e horas na frente de um computador. De qualquer modo, preciso reconhecer que a explicação de como ele funciona me parece bem convincente — super científico!

 

…que dá acesso ao interior do aparelho.

Vendo mais de perto, é uma ventoinha, a luz LED embaixo e, láaaa no fundo, tem um filtro. Acima, o eletrodo que gera os íons.

Embaixo do produto, o conector do cabo de força que, por sinal, é o grande ponto negativo do Virus Doctor:

O aparelho não tem uma fonte embutida, e ela fica do lado de fora.

A base do Virus Doctor é desmontável para limpeza do filtro, que pode ser feita com uma escovinha ou na àgua (caso a sujeira esteja feia demais – mas não esqueça de deixar secando por um bom tempo).

E o produto vem com uma escovinha para a limpeza. O outro lado da peça, que parece uma chave de fenda, é usado para limpar o eletrodo que gera os íons.

Fiquei com o Virus Doctor ligado no meu dormitório por períodos alternados em um mês. É um tanto complicado perceber mudanças no ar – só deu para notar que a área próxima ao gadget ficaram menos empoeiradas. O filtro de ar? Olha só como ficou: se tem bactéria e vírus não sei, mas poeira…

Outros itens notáveis no Virus Doctor são o nível de ruído (baixo) da ventoinha, gerando ruído branco para ajudar a dormir, e a questão da iluminação: a luz abaixo do abajur pode ser apagada, mas os LEDs que piscam de maneira aleatória no corpo do aparelho não – isso pode incomodar um pouco na hora do sono (incomodou o meu, por sinal).

Segundo a Samsung, o Virus Doctor consegue eliminar diversos vírus, como o H1N1 e o Corona (quadro abaixo).

É o típico produto difícil de mensurar na prática, mas a questão de reduzir o pó já me deixou bastante entusiasmado com o produto. A Samsung embutiu a tecnologia do Virus Doctor em alguns dos seus novos aparelhos de ar-condicionado, o que tem bastante lógica. O produto tem preço sugerido de R$ 199 no varejo (preço atualizado em 7/12/11).