A Philips anuncia hoje o lançamento oficial do modelo Cinema 21:9 no mercado brasileiro. O televisor, visto por este Zumo mais de um ano atrás, que mostra imagens em proporção de cinema em uma tela de 56″, é um dos grandes destaques da fabricante. Tem até uma família de TVs com Ambilight feitas pro mercado brasileiro.

  • Sobre a Cinema 21:9, tudo que precisávamos saber era o preço sugerido pela fabricante… e vamos continuar com essa dúvida (!). Sai no segundo semestre e será 3D ready.
  • Sobre TV 3D, a Philips não anunciou nada – vão mostrar algumas soluções “para este ano ainda”, em duas famílias topo de linha (LCD 240 Hz). Vem nas TVs da série 9000 e na Cinema 21:9 e vão vender um kit de upgrade com dois pares de óculos ativos, transmissor pros óculos e um disco de atualização da TV. Na prática, estão esperando conteúdo chegar
  • TVs Ambilight:  alguns modelos foram produzidos pensando no mercado brasileiro (alguém aí gosta disso?). É a série 6000, com telas de 32, 40 e 46 polegadas.
  • mostraram um dock pra ipod/iphone chamado Fidelio, que parece é bem interesante (e tema pra outro post).

São seis famílias de novas TVs: duas, mais básicas – 3600 e 3800 – com LCD, e quatro com LED. Os primeiros modelos chegam às lojas agora em maio – apenas as topo, séries 8000 e 9000, chegam em setembro. A Cinema 21:9 também vem no segundo semestre.

As mais básicas são as séries 3600 (26″ e 32″) e 3800 (32″ e 40″). Todos os modelos contam com resolução 1080p e receptor de TV digital integrado:

Já a série 5000, já com LED, vem em 32, 40 e 46″: note que não há mais o tamanho de 42″ no lineup da Philips. Têm 3 portas HDMI e uma USB.

A série 6000, com telas de 32″, 40″ e 46″, é o xodó da Philips: desenvolveram essa nova família com recurso Ambilight especialmente pro mercado brasileiro.

Já as 7000, 8000 e 9000 são as topo de linha:

A 7000 tem tela de 52″. As 8000 e 9000 vêm com recurso Net TV, com conectividade à internet. Diferente dos modelos da LG e Samsung, a internet não é limitada a poucos aplicativos/sites: a TV tem um navegador mesmo – vira uma “web TV”. Bacana, não?