A Airfryer Philips Walita é um gadget culinário que promete cozinhar sem usar óleo, permitindo fritar alimentos sem se preocupar com a gordura. Cumpre a promessa? Sim, com o preço de poder demorar mais para ter o resultado final no prato e consumir mais energia elétrica.

O produto, de largas dimensões (287 x 315 x 384 mm, 7 kg de peso), ocupa bastante espaço na cozinha. O corpo da Airfryer tem acabamento de metal e plástico.

Sua operação é simples: basta ligar na tomada, ajustar temperatura desejada para cozimento e o tempo no timer frontal. E, claro, colocar comida na bandeja.

O timer permite usar o aparelho por até 30 minutos seguidos:

O ajuste de temperatura fica no topo da Airfryer (80 a 200 graus):

A bandeja frontal é removível. Dentro dela fica a cesta de alimentos.

Note o fundo da bandeja, com formato para ajudar na circulação de ar. Note que, sem a cesta interna, a bandeja principal fica sem alça de transporte/encaixe na Airfryer.

E a cesta interna, que, bem, é a parte que mais precisa de cuidados para limpar (e, sim, ela suja bastante dependendo do que você colocar ali). A Walita diz que dá para lavar as peças soltas na lava-louças, mas para a gente a melhor solução para desgrudar os restos de comida foi deixar de molho um pouco com água quente e detergente neutro.

A Airfryer vem ainda com uma divisória para a cestinha interna, caso você queira “fritar” dois alimentos distintos – kibes e batatas, por exemplo.

E com uma forma para “assar” alguns outros alimentos (pão de queijo!)

O segredo do funcionamento da Airfryer está na tecnologia Rapid Air: em resumo, é uma resistência que esquenta somada a um ventilador forte no interior (e não visível por aqui) que cozinham os alimentos.

Na prática, isso resulta em pouco barulho:

Finalmente, na parte de trás da Airfryer temos o filtro de ar (que solta ar quente e pode liberar fumaça/vapor dependendo do produto em cozimento). Não encontrei nenhum meio de remover a tampa e limpar o filtro, e o manual de instruções também não cita nada nesse sentido.

Ao lado do timer, as duas luzes de indicação de funcionamento da Airfryer: a verde (timer ativado) e a laranja (aquecimento funcionando).

E um resumo rápido do que dá para fazer sem precisar consultar as instruções do produto. Média de 16 minutos para fritas congeladas, 20 minutos para batatas cozidas e por aí vai. Na prática, sempre levou um pouco mais que o tempo máximo sugerido.

De qualquer modo, o guia para início rápido traz informações rápidas sobre a operação da máquina…

E uma melhor definição sobre como fazer alguns alimentos – e se precisa usar óleo. Acompanha o produto um livro de receitas.

A Airfryer (127V) usa a nova tomada padrão “tridente do capeta” brasileiro, com fio terra e plugue mais grosso (20 amperes). Logo, você precisa de uma tomada nova na sua cozinha para poder usar a fritadeira sem óleo.

Falando em energia, a Philips diz que o modelo usa uma fonte de alimentação de 1.425 W (mais sobre consumo em um próximo post).

Mas, na prática, o que significa fazer alimentos na Airfryer? Algumas coisas vão ficar muito crocantes e parecidas com o real (=frito), outras ficam bem assadas e outras foram feitas para nadar no óleo mesmo.

Batatas fritas congeladas: incríveis, crocantes por fora, macias por dentro. Ponto pra Airfryer.

Nuggets de frango congelados: do tipo “super crocantes”, foram os melhores nuggets crocantes (estupidamente crocantes) que já comi em casa.

Kibes congelados: ficaram mais ressecados que um kibe frito, mas o sabor não se perdeu.

Detalhe do nugget:

Batatas cozidas (primeira tentativa) + alho: ficou bom, mas não deu muito certo porque escolhi usar a forma, não a cesta direto. Então não “fritou” direito. Coloquei um pouco de azeite para ajudar – pelo menos o alho ficou bem frito e crocante.

Bolinhas de queijo congeladas: fuja de fazer qualquer coisa com queijo dentro na cesta principal. O queijo vai fugir para o fundo da panela e, bem, você terá bolinhas sem recheio. E gruda na grade que é uma beleza…

Pão de queijo com catupiry: feito na assadeira, ficaram bem assados (mas, como ocorreu com as bolinhas de queijo, o recheio também fugiu). Crocantes por fora, macios por dentro.

Pão com manteiga:  descoberta sensacional ao acaso. Sabe aquele momento “será que dá para esquentar pão?”. Dá sim, mas tem que tomar cuidado para a casca do pão não ressecar demais e ficar dura.

Batatas sorriso congeladas: iguais às feitas no forno elétrico, sem óleo, ficaram crocantes por fora, macias por dentro.

Banana nanica com açúcar: outra descoberta ao acaso, ficou bem gostosa – soltou água e (claro) grudou na grelha. Refiz com banana menos madura e criou uma espécie de casquinha ressecada em volta, igualmente deliciosa. Atenção ao colocar açúcar: vai deixar a casa cheirando caramelo…

Mais pão de queijo na forma. Olha o super-catupiry fujão aí.

Macarrão cozido frito: outro “acidente”, foi cozido sem molho (claro) com um pouco de azeite. Tira-gostos incrível.

Mas nem tudo é crocância: fiz um filé de frango à milanesa na Airfryer (ficou seco demais, mesmo com um pouco de azeite sobre os bifes)…

E nem se comparam aos filés fritos no óleo. Vai, gordinho!

Finalmente, mais batatas cozidas, agora do modo certo. Crocantes por fora, macias por dentro. Airfryer, aprovada.

Apesar do resultado incrível na maioria das coisas, é preciso lembrar de três coisas:

1) o tempo de cozimento com a Airfryer pode ser bem maior que em comparação com uma frigideira cheia de óleo. As batatinhas feitas na Airfryer levam pelo menos 15 minutos (e mais 5 para dar uma douradinha básica). É um tanto o caminho oposto da fast-food das frituras: sim, é “frito”, mas é saudável e não é nada “fast”.

2) a Airfryer não frita grandes quantidades de alimento por ciclo. Ok, cabe meio quilo de batata congelada (1 pacote), ideal para uma refeição com outros itens no cardápio feitos no fogão, mas não dá para dar uma festa e encher os amigos (ou os amigos dos filhos) a noite toda. O ciclo é mais lento, então… já sabe. E nem pense em estourar pipoca ou superlotar a Airfryer: vai dar encrenca por conta da resistência enorme ali no topo.

3) a Airfryer deixa a cozinha cheirando muito bem a comida, mesmo instantes após colocar o alimento ali (tente algo com canela…). E eu estou com fome ao escrever este texto.

Para quem é a Airfryer? Famílias com crianças pequenas que querem fugir da fritura, solteiros que querem fugir da fritura, gente em geral que quer fugir da fritura e tem bastante espaço sobrando na cozinha. É caro? Sem dúvida, por ser um produto único no mercado brasileiro. O preço sugerido de R$ 1.199 é alto para um eletrodoméstico, mas vale o benefício de variar a dieta com itens sem óleo ou com bem menos gordura.

Resumo: Airfryer Philips Walita 
O que é isso? Eletrodoméstico para fritura
O que é legal? Fritar alimentos com facilidade sem precisar de óleo ou gordura.
O que é imoral? Sujeira na grade pode ser difícil de limpar, alto consumo de energia.
O que mais? Vem com livro de receitas, usa a tomada “tridente do capeta” de 20 amperes.
Avaliação: 7 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: R$ 1.199
Onde encontrar: Philips